Fomos ao Jardim da Estrela… giroflé giroflá!

Que tarde maravilhosa, como normalmente acabam
por ser todas as tardes que, semi-planeadas com improvisos de última
hora acabam por se revelar sempre incríveis. Destino? O magnífico Jardim
da Estrela
.

image

Tínhamos combinado um lanchinho com a tia Mariana, e ela tinha ficado
de pensar num sítio bom e que fosse, claro está, baby friendly. Não
conseguiu pensar em nada (nós também não) e, assim sendo, acabei por
sugerir que fôssemos até ao Jardim da Estrela, bem no coração de Lisboa
e um dos recantos mais bonitos que a capital tem para oferecer a quem
por ela se quiser perder a passear.

Era o primeiro dia de folga do papá e esteve muito calor durante a tarde, pelo que
resolvemos esperar pelas 18:00 para sairmos de casa. Foi o melhor que
fizemos.

Chegámos à Lapa e arranjámos logo lugar e depois encontrámos a
Mariana à porta e seguimos até ao Gengibre da Estrela, o bar junto à
entrada norte do Jardim.

Uma tosta de queijo de cabra, tomate e pesto e uma imperial – e seu respectivo copo de tremoços – depois lá
seguimos para um dos banquinhos do jardim para que a mamã pudesse levar
a bebé a lanchar também.

image

Pelo meio pusemos em prática toda a nossa simplicidade de processos quando, em plena hora do lanche, a nossa piolha resolveu, como lhe é tão próprio, aliviar a tensão e despejar (literalmente) tudo o que a incomodava para dentro da fralda. Esperámos pelo fim da papinha e a mamã e a tia mudaram-lhe a fraldinha. O papá ficou a ver que não são precisas 3 pessoas para mudar uma fralda, evidentemente!! =)

Um par de amigas de provecta idade e ainda maior energia e simpatia, passaram diante de nós umas 3 vezes e na última, que coincidiu com a mudança da fralda, ofereceram-nos um simpático e aprovador esgar de cumplicidade. Como que a louvarem-nos a leveza com que encaramos a vida, a descontracção de quem sai para a rua para estar bem onde quer que esteja. A nossa pequenina já vai percebendo (digo eu) que as coisas são mais simples do que aparentam e que, muitas vezes, queremos tanto, quando nos chega tão pouco!

Saímos do jardim pelas 20h30.

A pequenina lá seguia no ovo, enquanto subíamos até à Lapa, a trautear os seus sonzinhos e afins, no fundo o princípio desalinhado daquilo que um destes dias chegarão a ser palavras.

A pensar em tudo isto lembro-me apenas de uma frase do meu querido amigo (que honra é poder tratá-lo assim) António Ribeiro Cristóvao: “Deus é muito injusto por nos dar uma vida tão boa de se viver e só nos deixar vivê-la uma vez.”

Por isso mesmo, termino este texto da única forma possível:

Façam o favor de viver a vossa vida. Façam o favor de ser muito felizes enquanto cá andam. Isto “vai-se” num instante! Worry less, live more!

Nós somos muito felizes assim! A Ana, a Leonor e o Martim.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s